terça-feira, 22 de maio de 2012

VÍDEO: "VEJA COMO OS ALIMENTOS SE DETERIORAM"

Estou postando esse vídeo para subsidiar minhas aulas sobre bactérias com os terceiros anos e também minhas aulas sobre decompositores com os primeiros anos de ensino médio. Esse ilustra a ação dos  decompositoras sobre nossos alimentos.
video

CITOESQUELETO

Responsável pela forma e pela sustentação das células eucarióticas, pela ciclose (movimento cíclico das organelas no citoplasma) e pela formação dos pseudópodes (permitem a fagocitose e o movimento ameboide em determinados tipos celulares e organismos unicelulares), o citoesqueleto também forma os fusos mitóticos, fibras responsáveis pela orientação e deslocamento das cromátides na mitose e na meiose.
O citoesqueleto é composto por três tipos de filamentos proteicos: microtúbulos, microfilamentos e filamentos intermediários.

a) Microtúbulos: formados por tubulina, uma proteína globular, que se organizam formando finos tubos com cerca de 25 nanômetros de diâmetro, todos partindo de um centro organizador denominado centrossomo, os microtúbulos exercem várias funções nas células eucarióticas, entre elas, formar os centríolos e os fusos mitótico e meiótico que orientarão o deslocamento dos cromossomos durante a divisão celular; formar cílios e flagelos e dar suporte estrutural à célula.

b) Microfilamentos: são fibras finíssimas (cerca de 7 nanômetros) formadas por actina, uma proteína globular que, juntamente com a miosina, formam as fibras contráteis das células musculares esqueléticas. Concentram-se próximos à membrana plasmática e dão suporte para as microvilosidades, permitem a movimentação das organelas dentro do citoplasma, bem como a formação dos pseudópodes. Agem na citocinese da divisão celular separando as duas células resultantes desse processo.

c) Filamentos intermediários: 
São formados por queratina e outras proteínas fibrosas. A queratina está presente nos filamentos intermediários de células epiteliais conferindo proteção mecânica, resistência, elasticidade e impedindo a desidratação excessiva desse tecido, bem como formando as unhas e os cabelos. Os filamentos intermediários participam também de junções entre células.

terça-feira, 15 de maio de 2012

FATORES QUE INFLUENCIAM A SUCESSÃO ECOLÓGICA

Durante uma sucessão, vários fatores abióticos e bióticos podem ser responsáveis por uma mudança na composição das espécies. Entre os fatores abióticos podemos destacar a disponibilidade de luz, de água, sais minerais, tipo de solo, temperatura, umidade do ar, acidez do solo. São fatores bióticos que podem afetar a composição das espécies durante uma sucessão: herbivoria, inibição, facilitação, competição pelo espaço, pela luz ou por nutrientes. Em um campo abandonado, a vegetação pioneira comumente é representada pelas gramíneas, plantas que possuem ampla faixa de tolerância a diversos fatores limitantes, além de alta produção primária. As raízes das gramíneas protegem o solo contra a erosão causada pelos ventos e pelas chuvas, além disso, a presença das gramíneas enriquece de humo e permite a manutenção da umidade do solo. Ao poucos os fatores limitantes são alterados, favorecendo o aparecimento de espécies herbáceas e arbustivas e por sua vez, inibindo as gramíneas. Essas espécies proporcionam um maior sombreamento na área, e como conseqüência o aumento da umidade e a diminuição da temperatura. Essas condições facilitam o aparecimento de espécies arbóreas, constituindo a etapa final da sucessão, pois leva à formação de uma comunidade clímax. À medida que as populações vegetais vão se sucedendo, há também uma mudança na composição das espécies animais.