sábado, 26 de abril de 2008

3o ano - aula 3 - OS CINCO REINOS DOS SERES VIVOS

O sistema moderno de classificação foi criado em 1969 por R. H. Whittaker e distribui os seres vivos em cinco grandes reinos: Monera, Protoctista, Fungi, Metaphyta e Metazoa.


Reino Monera - Compreende todos os organismos unicelulares, procariontes. Podem ser autotróficos ou heterotróficos. É formado pelas bactérias e pelas cianobactérias (cianofíceas ou algas azuis). Há algumas décadas, os biólogos descobriram que entre os monera havia dois grupos bem distintos e pouco relacionados filogeneticamente. Desta forma o Reino Monera foi dividido em dois sub-Reinos: Archaea (arqueobactérias) e Eubacteria (eubactérias).


Reino Protoctista (antigamente chamado Protista) - Inclui protozoários, seres unicelulares, eucarióticos e heterótrofos e as algas, seres uni ou multicelulares, eucarióticos e autotróficos. Atualmente os mixomicetos, anteriormente classificados como fungos, estão incluídos no reino Protoctista. Por se tratar de um grupo que reúne organismos com origens evolutivas muito diferentes, alguns biólogos criticam a sua existência e defendem sua separação em diversos reinos. Isso mostra que essa divisão dos Reinos em cinco grupos deverá sofrer mudanças num futuro próximo.


Reino Fungi - Inclui os fungos, seres uni ou multicelulares, eucarióticos, que se assemelham às algas na organização e na reprodução, mas que diferam delas por serem heterótricos por absorção.


Reino Plantae - Reúne as plantas, seres multicelulares, eucarióticos e autotróficos fotossintetizantes. Possuem células diferenciadas, que formam tecidos bem definidos. Musgos, samambaias, pinheiros e plantas frutíferas são seus representantes.


Reino Animalia - É formado por seres multicelulares, eucarióticos e heterotróficos. Este reino abrange todos os animais, desde os poríferos até os mamíferos.
O esquema abaixo mostra uma possível relação de filogenia existente entre os cinco reinos.

2o ano - aula 3 - Fermentação alcoólica

Processo através do qual certos microorganismos, como leveduras, em condições anaeróbicas, ou seja, na ausência de oxigênio, conseguem obter energia a partir do açúcar, liberando para o meio gás carbônico e álcool etílico.

A fermentação alcoólica pode ser assim equacionada: glicose → 2 CO2 + 2 álcool etílico + 2 ATP (energia). Reparem que, em relação à quantidade de energia liberada, a fermentação é um proceso muito menos eficiente do que respiração. Enquanto no processo da respiração, cada molécula de glicose "queimada" gera um saldo de 36 moléculas de ATP, no processo da fermentação, o saldo é de apenas 2 moléculas de ATP. Isto quer dizer que, para cada molécula de glicose utilizada, a respiração libera muito mais energia do que a fermentação. Porém os organismos que realizam a fermentação conseguem sobreviver em condições de ausência de gás oxigênio, o que os seres aeróbicos não conseguem.

Etapas da fermentação:

1 - Para ativar o processo de fermentação a célula primeiramente precisa "gastar" duas moléculas de ATP. Assim, para que a molécula de glicose comece a reagir, ela precisa ser energizada por duas moléculas de ATP presentes na célula.

2 - A molécula de glicose (C6H12O6) passa por várias reações, "quebrando-se" no final em duas moléculas de ácido pirúvico (C3H4O3). Durante as reações formam-se duas moléculas de ATP.

3 - Cada molécula de ácido pirúvico perde um CO2, transformando-se em álcool etílico (C2H5OH) que é eliminado para o meio junto com o gás carbônico.

O esquema abaixo resume todo o processo:

quinta-feira, 24 de abril de 2008

1o.ano - aula 3 - CADEIAS E TEIAS ALIMENTARES

Cadeias e teias alimentares são maneiras de descrever as relações alimentares que ocorrem nos ecossistemas.
Cadeia alimentar - É uma forma de descrever um dos caminhos do alimento no ecossistema. é uma das muitas opções de relações alimentares que existem num ecossistema. Podemos citar como exemplo de cadeia alimentar numa lagoa: planta aquática → caramujo → peixe carnívoro → ave aquática
Teia alimentar - Maneira mais completa de descrever a complexa rede de relações alimentares entre os seres vivos de um ecossistema. É o conjunto de várias cadeias alimentares entrelaçadas. Exemplo de teia alimentar numa lagoa:



As plantas aquáticas servem de alimento para os caramujos e podem também nutrir os peixes herbívoros. Os peixes carnívoros capturam caramujos, peixes herbívoros, bem como outros invertebrados que não estão no esquema. Os peixes carnívoros e herbívoros servem de alimento para as aves aquáticas.

segunda-feira, 21 de abril de 2008

3o ano - aula 2 - O CONCEITO DE ESPÉCIE

O conceito de espécie ainda á uma questão polêmica na Biologia. Lineu acreditava que todas as espécies poderiam ser reconhecidas por suas características estruturais típicas, que as distinguia de outras espécies. Hoje sabemos que a utilização unicamente de características estruturais é insuficiente para identificar uma espécie, pois existem espécies morfologicamente semelhantes ou idênticas, com cargas genéticas, bioquímicos, comportamento ou aspectos ecológicos diferentes, sendo que apenas um estudo minuncioso pode detectar.
Espécies são populações de indivíduos muito semelhantes quanto a aspectos morfológicos, genéticos, bioquímicos, etc., e que são capazes de, em condições naturais, cruzar entre si, gerando descendentes férteis, estando reprodutivamente isolados de indivíduos de outras espécies.
Em condições normais, seres de espécies diferentes não se reproduzem, ou seja, não trocam genes. Espécies muito próximas, como cavalos e jumentos podem se cruzar, porém seus descendentes, mulas e burros não são férteis, são híbridos estéreis.
A mula é um híbrido estéril

sexta-feira, 18 de abril de 2008

2o ano - aula 2 - Fotossíntese: processo geral

A fotossíntese pode ser expressa pela seguinte equação sintética:

Porém todo o processo fotossintético abrange uma seqüência grande de reações químicas em cadeia que de maneira geral podem ser divididas em duas séries de reações: as de claro ou fase fotoquímica, que dependem diretamente da luz e as de escuro, ou fase química, em que a luz não é necessária diretamente.

a) Reações de claro - Ocorrem nas partes clorofiladas do cloroplasto: lamelas e grana. Durante esta etapa ocorre:

  • Fotólise da água - na presença de luz, á água quebra-se formando O2. A reação pode ser equacionada da seguinte maneira: 2H2O → H2 + O2. O O2 formado é liberado para o ambiente e cada molécula de H2 formada liga-se a um NADP, formando NADPH2.
  • Fotofosforilação - formação de ATP em presença da luz. ADP + P → ATP.

b) Reações de escuro - Ocorrem no estroma do cloroplasto, que não contém clorofila. O CO2 combina-se com os hidrogênios cedidos pelo NADPH2, formado na fase de claro, gerando glicose. Para essa reação ocorrer, o ATP fabricado na fase de claro necessita fornecer energia.

Confira no vídeo abaixo:

video

Veja online a primeira versão do livro "A Origem das Espécies, as ilustrações e as anotações pessoais de Darwin

Acesse o site http://darwin-online.org.uk/ e veja a primeira versão do livro "A Origem das Espécies" de Darwin, bem como milhares de anotações pessoais e ilustrações do cientista que criou a teoria da seleção natural.

A publicação das anotações pessoais de Darwin é a maior da históriam com cerca de 20 mil itens e quase 90 mil imagens.
O material original é mantido pela biblioteca da Universidade de Cambridge que decidiu disponibilizar o material online.

quinta-feira, 17 de abril de 2008

1o. ano - aula 2 - Níveis tróficos na comunidade

A comunidade de qualquer ecossistema é sempre formada por três categorias básicas de organismos: Produtores, consumidores e decompositores que ocupam níveis tróficos (ou alimentares) diferentes.


Produtores - Ocupam sempre o primeiro nível trófico em qualquer ecossistema. São representados pelos organismos autótrofos que são constituídos, na sua maioria, por seres clorofilados, ou seja, que podem realizar fotossíntese. Os produtores conseguem produzir matéria orgânica a partir de substâncias inorgânicas simples como água, gás carbônico e sais minerais.


Consumidores - São os organismos heterótrofos de um ecossistema. Dependem, direta ou indiretamente, do alimento fabricado pelos produtores.

Os consumidores que se nutrem diretamente de produtores são denominados consumidores primários ou consumidores de primeira ordem. Os que se nutrem de consumidores primários são denominados consumidores secundários ou consumidores de segunda ordem. Quando se alimentam de consumidores secundários são chamados consumidores terciários ou de terceira ordem, e assim por diante.

Num ecossistema, um organismo pode ser consumidor de várias ordens ao mesmo tempo. Pois as teias alimentares são dinâmicas e a alimentação de um consumidor raramente fica restrita a apenas a um tipo de organismo.


Decompositores - São os fungos e as bactérias, organismos heterótrofos microscópicos que se alimentam de restos de outros organismos. Os decompositores degradam a matéria orgânica morta, transformando-a em compostos inorgânicos simples, que são devolvidos ao ambiente e podem ser reutilizados pelos produtores. São essenciais para a reciclagem da matéria nos ecossistemas.

terça-feira, 15 de abril de 2008

3o. ano - aula 1 - AS BASES BIOLÓGICAS DA CLASSIFICAÇÃO

A classificação dos seres vivos está baseada nas semelhanças entre as espécies, indicando suas origens evolutivas comuns.

Adota as seguintes categorias de classificação: Reino, Filo, Classe, Ordem, Família, Gênero e Espécie.

Os Reinos dividem-se em Filos ou Divisões (usadas na classificação de plantas, algas e fungos). Os Filos ou Divisões dividem-se em Classes. Estas dividem-se em Ordens. As Ordens dividem-se em Famílias. Uma Família pode conter vários Gêneros, que por sua vez podem conter várias espécies.

Lineu (1707 -1778) ao publicar, em 1735, Systema naturae, foi a primeira pessoa a propor a classificação dos seres vivos em grupos usando palavras latinas para designar os seres vivos. Adotou a nomenclatura binomial para dar nomes às espécies. Segundo este método de nomeação, o nome científico de uma espécie compõem-se de dois termos de origem latina: o primeiro, referente ao gênero, com letra inicial maiúscula e o segundo, referente à espécie, escrito com letra inicial minúscula. Os dois termos são digitados em itálico ou sublinhado para receber destaque.

Exemplo de cassificação de uma espécie: o cão doméstico.

Reino - Animalia,

Filo - Chordata,

Classe - Mammalia

Ordem - Carnivora,

Família - Canidae,

Gênero - Canis,

Espécie - Canis familiaris

segunda-feira, 14 de abril de 2008

2o ano - Aula 1 - RESPIRAÇÃO AERÓBICA - PROCESSO GERAL

Vamos apresentar uma versão simplificada do processo de respiração aeróbica, pois o processo é complexo e envolve muitas etapas.
De uma forma geral, a respiração aeróbica pode ser dividida em três fases:
  • Glicólise - Fase em que a glicose é quebrada em duas moléculas de ácido pirúvico, com o saldo positivo de duas moléculas de ATP. Este processo ocorre fora das mitocôndrias, no hialoplasma.

  • Ciclo de Krebs - Fase que começa quando cada molécula de ácido pirúvico, formada na fase anterior, penetra na mitocôndria, para transformar-se em ácido acético (ou acetil-coenzima A), com a perda de CO2. Inicia-se então um ciclo complicado que envolve várias reações (ciclo de Krebs). Durante este ciclo ocorrem saídas de CO2 e de hidrogênios.

  • Cadeia respiratória - Nesta fase o hidrogênio liberado combina-se com o oxigênio vindo de fora para formar água e liberar grande quantidade de energia, que formará 34 moléculas de ATP.

Vejam o vídeo a seguir:

video

1o. ano. aula 1 - Níveis de Organização em ecologia

Este texto é para subsidiar as próximas aulas dos 1os anos da tarde:

"Ecologia é a ciência que estuda, fundamentalmente, os níveis acima do nível de organismo, preocupando-se com as relações dos seres vivos entre si e com o ambiente que os cerca.
São eles:
Populações - São agupamentos de seres vivos da mesma espécie, vivendo numa mesma área, num determinado momento.
Comunidade - Conjunto de todas as populações de determinada área, ou seja, todos os seres vivos que vivem em determinado ecossistema.

Ecossistema - Comunidade interagindo com fatores não-biológicos, ou seja, a inter-relação dos seres vivos que vivem em determinada área com os fatores abióticos, que inclui todos os fatores físicos e químicos do ambiente.

Biosfera - É o conjunto de todos os ecossistemas do planeta. É a porção viva do planeta."

domingo, 13 de abril de 2008

CIÊNCIA E ARTE

No ano passado um concurso fotográfico na Inglaterra, o "Visions of Science", ou Visões da Ciência, que propunha aos participantes encontraram maneiras originais de retratar fenômenos científicos e naturais, selecionou 32 finalistas, entre os quais médicos a fotógrafos amadores e estudantes, e o resultado foram imagens maravilhosas que mais parecem obras de arte abstrata ou cenas de terror. Porém o que vemos são imagens únicas, que revelem novas percepções da natureza, medicina, ciência e engenharia.

Confira algumas das fotos selecionadas entre as finalistas:




Jim Greenfield flagrou o detalhe de um molusco gigante nas Ilhas Maldivas.




Detalhe da rádula de um caracol de jardim, aumentado 200 vezes, com o uso de um microscópio.


Esta é a imagem de um morcego que se alimenta de insetos, mas mais parece uma imagem saída de um filme de terror.





Estas são as garras de um morcego





Nesta foto, Louis Ronse de Craene, capturou o florescimento de um Phoradendron, da família do visco, no Jardim Botânico Real de Edimburgo, na Escócia.





Peixe Acanthemblemaria maria fotografado por Jim Greenfield, durante um mergulho em Bonaire. Estes peixes raramente deixam seus esconderijos no meio dos corais

sábado, 12 de abril de 2008

Novidades no blog

O bioblog do Nandão está com várias novidades. Na barra da direita vocês poderão ver agora, sem sair do blog, vídeos sobre meio ambiente e biotecnologia; as últimas notícias publicadas na net sobre biologia, meio-ambiente, biotecnologia, genética e saúde; e também fotos do projeto "plantando um mundo melhor".

Vale a pena conferir

quinta-feira, 10 de abril de 2008

Síntese de ATP

Hoje na aula do 2o C discutimos sobre os manipuladores de energia na célula: o sistema ADP/ATP. No final da aula prometi que postaria no blog um vídeo sobre o assunto.



video

quarta-feira, 9 de abril de 2008

A origem da vida na Terra

Este vídeo, da série Poeira de Estrelas do Marcelo Gleiser, exibido pelo Fantástico, mostra as teorias sobre a origem da vida na Terra. Vale a pena assistir.

video

segunda-feira, 7 de abril de 2008

Fotossíntese e Respiração: Mitos e Fatos

Olá alunos do 2o ano:
Como em sala de aula estamos estudando a importância da fotossíntese para a vida no planeta Terra, postei abaixo um trecho do site da ONG "Ambiente Brasil Rede de Estudos", de Viçosa-MG, http://www.redeambiente.org.br/index.asp , na seção "Fatos e Mitos" há um artigo que, através de perguntas e respostas, pretende esclarecer a dúvidas freqüentes sobre fotossíntese. As respostas são muito interessantes e claras. Vale a pena conferir:



Fotossíntese e Respiração

Maria Vitória Ferrari Tomé


1 - Durante a noite a planta consome oxigênio? faz mal dormir com planta no quarto?
As plantas respiram, assim como todos os seres vivos, incluindo a espécie humana, durante todo o tempo de sua vida. O risco de se ter uma planta no quarto é de mesma natureza que se ter outra pessoa, com menor intensidade. Talvez as condições de um quarto sejam muito mais prejudiciais à planta, por condições de pouca luminosidade de baixa umidade, principalmente em ambientes com ar condicionado.



2 - Fotossíntese pode ser chamada de respiração das plantas?

Não! Fotossíntese e respiração são processos com reações e objetivos diferentes. A fotossíntese ocorre nas células clorofiladas, para produzir compostos orgânicos energéticos. A respiração ocorre em todas as células. É um processo de oxidação de compostos orgânicos, que libera energia necessária para a realização de todos os processos metabólicos das plantas. Ocorre não só nas plantas, mas em todos os seres vivos, incessantemente, durante toda a vida.



3 - Fotossíntese é transformação de gás carbônico em oxigênio?

Pode-se dizer que a fotossíntese é um processo vital na obtenção de alimentos, não só para a própria planta que a realiza, como para toda a vida no planeta Terra. Direta, ou indiretamente, ela produz, praticamente, alimento para quase todos os seres vivos, em todos os ecossistemas. A fotossíntese realizada pelas plantas é um processo complexo, um conjunto de reações bioquímicas, que ocorrem sob luz direta ou difusa, no interior das células vegetais, nos cloroplastos. A finalidade básica desse processo é produzir alimento, produzindo também oxigênio. A representação simplificada da fotossíntese:




leva, muitas vezes à interpretação de que o gás carbônico (CO2) é transformado em oxigênio (O2). Porém, não é isso que acontece. O processo da fotossíntese inicia-se quando a luz incide nas folhas ou outras partes verdes das plantas, como ramos e caules, e é captada por moléculas de clorofilas, que funcionam como coletores solares, recebendo, transmitindo e concentrando a energia luminosa. Essa energia captada é utilizada para iniciar as reações químicas, "quebrando" as moléculas de água (H2O), separando os átomos de hidrogênio (H) e oxigênio (O), que a compõem. O oxigênio é liberado para a atmosfera e os átomos de hidrogênio são aproveitados para formar carboidratos ou nova molécula de água.



4 - Existe alguma ligação entre fotossíntese e respiração?

Sim, metabolicamente falando, elas são reações inversas. A matéria-prima utilizada para reação da fotossíntese (os reagentes = CO2, H2O), são os produtos da reação da respiração. O inverso também é verdadeiro, ou seja, a fotossíntese armazena energia em compostos de carbono e a respiração retira a energia desses compostos. Para entender melhor, observe as representações simplificadas, abaixo:



Fotossíntese
















Respiração










sábado, 5 de abril de 2008

Melhores públicas do Enem escolhem alunos com prova

http://educacao.uol.com.br/ultnot/2008/04/03/ult1811u216.jhtm
03/04/2008 - 21h01

Ana Okada
Bruno Aragaki
Da redação
A lista das dez mais do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) 2007 traz apenas duas escolas públicas: os colégios de aplicação da UFV e da UFRJ. Ligadas a universidades federais, as duas instituições aplicam provas para selecionar os estudantes para as suas "ilhas de excelência".

No Coluni, o colégio de aplicação da UFV (Universidade Federal de Viçosa), de Minas Gerais, anualmente, uma média de 1.490 alunos que terminam o ensino fundamental disputa as 150 vagas oferecidas para cursar o ensino médio na instituição.

As melhores públicas do Enem

Rio de Janeiro - Aplicação da UFRJ 79.63
Viçosa (MG) - Aplicação da UFV 79,30
Recife - Aplicação da UFPE 77,47
Curitiba - UTFPR 76.71
Rio de Janeiro - Aplicação da Uerj 76.25
São Paulo Cefet-SP - 75,93
Rio de Janeiro Cefet Celso Suckow - 75,78
Rio de Janeiro Colégio Militar do RJ - 75.61
Curitiba Colégio Militar de Curitiba - 75.60
São Paulo Etesp - 75.56


Esse vestibular precoce, o "vestibulinho" - nos moldes dos exames de seleção aplicados por universidades, com questões discursivas, objetivas e redação -, é apontado pela instituição como um dos motivos do bom desempenho da instituição.

"Os alunos que entram querem aprender e por isso se saem bem", diz Catarina Greco Alves, orientadora educacional do Coluni.

Segundo Alves, 63,75% dos alunos da escola, gratuita, fizeram ensino fundamental em colégios particulares.


Sorte
Na escola de aplicação da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), a seleção é feita com prova e sorteio, dependendo da série.

Em 2007, 1.241 jovens inscreveram-se para a seleção das 30 vagas oferecidas pela escola de aplicação no ensino médio. A concorrência de 41,37 candidatos por vaga é maior do que a enfrentada pelos candidatos a uma vaga de medicina em 2008 na UFRJ (27,58).

Depois de fazerem teste de português e matemática, os alunos que acertam pelo menos a metade de cada um dos testes vão a sorteio decidir quem consegue uma das vagas no ensino médio.

No ensino fundamental, as crianças são selecionadas apenas por sorteio. A seleção aleatória, para Celina Costa, diretora geral do colégio, contribui para a diversidade socioeconômica dos alunos.

"Na escola particular, estuda a classe média; nas públicas, geralmente, as classes menos favorecidas; aqui, o garoto da favela estuda com o menino da Barra da Tijuca", disse Costa.

Para a explicar o bom desempenho dos alunos no Enem, a diretora diz que "não tem fórmula mágica". "Damos aula, com giz e lousa. Quando não temos retroprojetor, utilizamos cartolina, canetinha e fazemos cartazes", disse Costa.

"Temos um corpo docente estável e qualificado (a maioria é de mestres e doutores), que tem plano de carreira e incentivos para permanecer na instituição", disse.

sexta-feira, 4 de abril de 2008

A escola estadual Pedro Raphael da Rocha de Santa Gertrudes obteve o décimo lugar no ENEM entre as trinta escolas da região

O Inep divulgou ontem as médias das notas do Enem 2007 de todas as escolas do Brasil. Montei um ranking das escolas estaduais da Diretoria de Ensino de Limeira para termos uma idéia de como estamos em relação às outras escolas da região. O Pedro Raphael da Rocha ficou em décimo lugar das trinta escolas da região, com uma média de 51,39 pontos. Não postei as médias das escolas privadas pois a diferença para estaduais é muito grande. As informações foram retiradas do site do Inep: http://mediasenem.inep.gov.br/desempenho.php
Eis o ranking:

1 JOAO BATISTA LEME PROF 54.41

2 ANTONIO PERCHES LORDELLO PROF 53.6

3 MARCIANO DE TOLEDO PIZA PROF 53.33

4 JOAQUIM RIBEIRO 52.96

5 JOSE FERNANDES PROF 52.92

6 ARY LEITE PEREIRA PROF 52.13

7 JOAO OMETTO 51.82

8 CASTELLO BRANCO 51.74

9 BRASIL 51.5

10 PEDRO RAPHAEL DA ROCHA 51.39

11 ELY DE ALMEIDA CAMPOS PROF 51.15

12 ZITA DE GODOY CAMARGO PROFA 51.09

13 LEOVEGILDO CHAGAS SANTOS PROF 50.37

14 CESARINO BORBA 49.85

15 CAROLINA ARRUDA VASCONCELLOS PROFA 49.43

16 ODILON CORREA PROF 49.39

17 MARIA DE SANTO INOCENCIO LIMA IRMA 49.18

18 JAMIL ABRAHAO SAAD 49.15

19 MICHEL ANTONIO ALEM PROF 48.81

20 ANTONIO DE QUEIROZ PROF 48.8

21 GABRIEL POZZI PROF 48.73

22 OSCALIA GOES CORREA SANTOS PROFA 48.05

23 GUSTAVO PECCININI 47.44

24 WILLIAM SILVA PROF 47.16

25 RAUL FERNANDES CHANCELER 46.44

26 ATALIBA PIRES DO AMARAL PROF 46.16

27 ARLINDO SILVESTRE PROF 45.11

28 LEONTINA SILVA BUSCH PROFA 45.09

29 HELOISA LEMENHE MARASCA PROFA 44.32

30 JOSE CARDOSO PROF 43.53

Olá alunos, amigos e amigos alunos.

Inicio agora meu novo blog. Pretendo postar muitas coisas interessantes que certamente enriquecerão nossas aulas e discussões de sala de aula e suas pesquisas escolares. Aqui vocês poderão sempre consultar artigos, vídeos e imagens relacionados com as nossas aulas, subsídios para a realização dos trabalhos propostos, bem como comentários e resoluções de questões, dicas de vestibular e de Enem. Sugestões, comentários e críticas serão bem vindos. Aguardo sua participação.
Um abraço.

Prof. Nandão