quinta-feira, 26 de junho de 2008

1o ano - aula 8 - RELAÇÕES ECOLÓGICAS

A expressão relações ecológicas indica os diferentes tipos de interações que existem numa comunidade. Quando ocorre uma interação entre indivíduos da mesma espécie, dizemos que a relação é intra-específica. Dentro de uma comunidade, indivíduos de populações diferentes também podem interagir. Nesse caso quando a interação é entre indivíduos de espécies diferentes, dizemos que é uma relação interespecífica.
Tanto as relações intra-específicas quanto as interespecíficas podem ser harmônicas ou desarmônicas. Nas relações harmônicas não há prejuízos para os envolvidos e há vantagens pelo menos para um deles. Nas desarmônicas, pelo menos um dos envolvidos é prejudicado.


Relações intra-específicas

a) harmônicas
  • Colônias - Associação entre indivíduos da mesma espécie, que se mantêm ligados entre si, formando uma unidade estrutural. Ex.: Colônias de esponjas-do-mar e de corais.




  • Sociedades - Associação entre indivíduos da mesma espécie, não ligados anatomicamente, que se agrupam para divisão de trabalho, organizados portanto de modo cooperativo. Ex.: formigas, cupins e abelhas.

b) desarmônicas

  • Competição intra-específica - Relação entre indivíduos da mesma espécie, que concorrem pelos mesmos fatores do ambiente, existente em quantidade limitada, como alimento, abrigo ou território.

Relações interespecíficas

a) harmônicas

  • Epifitismo ou inquilinismo - Associação entre plantas epífitas como orquídeas e bromélias e árvores, onde as epífitas desenvolvem-se sobre as árvores, beneficiando-se de uma posição favorável à captação de luz. As árvores que oferecem suporte não são beneficiadas nem prejudicadas.



  • Comensalismo - Associação entre duas espécies em que só uma espécie é beneficiada, enquanto a outra não é beneficiada nem prejudicada. O benefício envolve abrigo, suporte, transporte ou alimento. Ex.: No intestino humano vive uma espécie de bactéria, Entamoeba coli, que obtém benefício na forma de restos alimentares e abrigo, sem prejudicar nem beneficiar a pessoa. As rêmoras são peixes marinhos que se fixam à superfície ventral do tubarão por uma ventosa que têm na cabeça, obtendo assim um eficiente meio de transporte, além de restos de alimentos e proteção. Observou-se que os tubarões toleram as rêmoras e não as atacam.


  • Protocooperação - Associação entre espécies diferentes com benefícios para ambas, mas que não é indispensável para a sobrevivência delas. Ex.: Os anus são aves que se alimentam de carrapatos que parasitam bovinos. Embora anus e bois se beneficiem da associação, podem sobreviver uns sem os outros.


  • Mutualismo - Associação entre duas espécies em que ambas se beneficiam, mas ao contrário da protocooperação, a coexistência é indispensável para a sobrevivência dos associados. Ex.: os liquens constituem uma associação mutualística entre algas e fungos. Os fungos protegem as algas, dão-lhes sustentação, água e sais minerais, criando condiçõeos para que elas realizem fotossíntese; o alimento fabricado pelas algas é compartilhado com os fungos. Separados, esses fungos e algas não sobrevivem.


b) desarmônicas

  • Parasitismo - Associação em que uma espécie (parasita) vive à custa de alimento retirado do corpo de outra (hospedeira). O parasita pode prejudicar, mas geralmente não causa a morte imediata do hospedeiro, mantendo assim sua fonte de alimento e abrigo. Ex.: Os pulgões são parasitas de plantas, das quais retiram seiva rica em açúcar, usada em sua alimentação.

  • Predatismo - Interação em que um indivíduo de uma espécie (predador) mata um indivíduo de outra (presa), que lhe serve de alimento. Ex.: A zebra é morta e devorada pelo leão.


                                              • Competição interespecífica - É quando duas espécies que têm nichos ecológicos semelhantes ou iguais num mesmo habitat, disputam pelos mesmos recursos ambientais (como água, alimento, espaço ou luz). Enquanto dura a competição, ocorre gasto excessivo de energia e menor quantidade de recursos fica disponível para cada um dos competidores, o que prejudica as duas espécies. Ex.: Entre tico-tico e pardal há intensa competição: seus hábitos alimentares são semelhantes, utilizam locais similares para a construção de ninhos e adaptam-se às mesmas condições ambientais em muitas áreas do Brasil.

                                              2 comentários:

                                              maicon disse...

                                              Parabéns!excelente conteúdo,bem organizado e completo!
                                              Valeu mesmo.
                                              Muito obrigado ajudou bastante

                                              Fernando Brasci (Prof. Nandão) disse...

                                              Obrigado Maicon